Google+ - Publisher - Editora
A carregar...

Uma Fuga Astuciosa

53 anos se passaram sobre um episódio muito marcante no atribulado percurso de vida política do Dr. António Agostinho Neto. A fuga da família Neto, em 1962, de Lisboa em direcção a Tânger, num pequeno barco de recreio.

O plano de evasão começou a ser preparado em finais de 1961 e princípios de 1962, quando Agostinho Neto ainda se encontrava deportado em Cabo Verde. Após a transferência da família para Lisboa, com residência fixa, o plano foi colocado em execução.

Na elaboração do plano foi decisiva a participação de Dias Lourenço, Blanqui Teixeira, Arménio Ferreira e Agostinho Neto. Nesta operação de fuga foi incluído o guineense Vasco Cabral, ligado ao PAIGC. A compra do barco foi da responsabilidade do então primeiro-tenente da Armada José Nogueira, que também providenciou os mantimentos e pilotou o barco até ao seu destino, Tânger, no Norte de Marrocos.

Entretanto a família Neto, nessa altura a residir em Lisboa, no Bairro de Alfama (local fortemente vigiado pela PIDE) instalou-se em Sintra, perto da Praia das Maças, numa casa de família (a casa pertencia à mãe da D. Maria Eugénia Neto, a Senhora Maria Amélia da Silva). Aí se ultimaram os detalhes da fuga e a partida realizou-se a 30 de Junho, depois de tomadas todas as precauções.

A bordo seguia José Nogueira, a família Neto (Dr. Agostinho, sua esposa e dois filhos, Mário Jorge e Irene), Vasco Cabral e Jaime Serra, que assegurou as tarefas de bordo e substituiu o piloto quando necessário por conhecer o trajecto). Com uma primeira parte do percurso tranquila até Cádiz onde chegaram ao cair da noite, no dia seguinte viram as condições de navegação alterarem-se drasticamente ao Largo do Cabo de Trafalgar, obrigando o grupo a enfrentar o movimento agitado das marés e ventos muito fortes. Após difíceis momentos de angústia conseguiram aportar numa acolhedora baía antes de Tarifa, partindo de seguida directamente para Tânger onde chegaram à hora do almoço do dia seguinte, após 3 dias no mar, desde a sua partida de Lisboa.

Os perigos não estavam todos ultrapassados e as medidas de precaução mantiveram-se na operação de desembarque, que se realizou em várias etapas, desembarcando em primeiro lugar a Senhora Maria Eugénia Neto com os filhos, de seguida foram retiradas as bagagens e só depois desembarcaram Agostinho Neto e Vasco Cabral. Os dois acompanhantes regressaram imediatamente a Lisboa por razões de segurança.

A família foi acolhida pelas autoridades marroquinas que encaminhou o grupo para Rabat. Daí o Dr. António Agostinho Neto seguiu para Leopoldville (actual Kinshasa) onde proferiu uma conferência de imprensa, deixando claro nas suas palavras a força interior que o movia para “a unificação das forças nacionalistas numa frente comum”.

(retirado do artigo de Acácio Barradas, “A Odisseia da Fuga” no livro “Agostinho Neto, Uma Vida Sem Tréguas 1922| 1979”)